Dúvidas frequentes

Ainda tem alguma dúvida?

Perda de audição de uma hora para outra. O que fazer? A diminuição súbita – de uma hora para outra – da audição precisa ser investigada rapidamente por um otorrinolaringologista.

Normalmente, não vai ser um caso da surdez súbita. Será uma cera, algo do tipo. Mas, se o exame físico não mostrar alterações, precisaremos agir rapidamente para tentar recuperar essa audição.

O tratamento da surdez súbita é realizado com medicamentos e audiometrias seriadas, para avaliar constantemente a resposta do paciente.

Quanto antes entrarmos com o tratamento, maior a chance de melhorar a perda súbita de audição.

Esse é um aviso bem importante.

Existe algum tratamento preventivo para sinusite? Uma pergunta que recebo muito no consultório e temos que ter ciência que existem alguns tipos de tratamento para sinusite.

O primeiro passo é entender qual o tipo de sinusite o paciente tem?

Se o paciente tem sinusite aguda de repetição, o otorrino particular vai buscar um tipo de tratamento preventivo.

Se o paciente tem sinusite crônica, penso em tentar diminuir os sintomas de base e a recorrência da sinusite.

Se o paciente tem sinusite por conta de pólipos nasais, vou tratar de outra forma.

O objetivo do tratamento preventivo é diminuir a quantidade e a intensidade dessas crises.

Mas doutora, qual o tipo de tratamento preventivo é melhor? Só é possível afirmar realmente conversando com o paciente.

Sempre que houver suspeita de alteração deve-se procurar uma fonoaudióloga para que seja realizado diagnóstico e verificar, então, se é ou não o caso de tratamento (isso serve para todas as idades).

Portanto, primeiramente se diagnostica, para futuramente, numa próxima etapa, submeter o paciente a tratamento.

Seu filho tropica para falar uma palavra, gagueja. Os pais, no intuito de ajudar a criança a tirar esse “nó”, geralmente soltam as seguintes frases: “Pare e respire”, “Fale devagar”, “Respire fundo”, “Repita comigo” ou “Pense antes de falar”.

Sabia que essa “ajuda” dos pais pode simplesmente piorar o caso? Pois é. Crianças de até quatro anos podem “gaguejar” sem que isso seja uma alteração na fala.

Quando a criança está no processo de desenvolvimento da fala e linguagem pode acontecer a disfluência fisiológica, isto é, a gagueira que é natural desse período. Acontece normalmente por volta dos três ou quatro anos e pode durar até oito meses, desaparecendo naturalmente. Isto ocorre porque o pensamento é mais rápido que o processo articulatório da fala. A criança muitas vezes ansiosa para contar algo, não consegue encontrar equilíbrio entre a velocidade do pensamento e a fala.

Claro que cada caso é um caso e uma avaliação fonoaudiológica deve ser realizada para verificar se ocorre realmente uma disfluência fisiológica ou patológica, mas algumas orientações são importantes.

Quais as principais causas da dor de garganta? Quando falamos de causas da dor de garganta, temos que pensar em possíveis quadros infecciosos como uma faringite ou amigdalite aguda.

Mas você sabia que podemos ter dor de garganta também por quadros inflamatórios? Pessoas com refluxo, com obstrução nasal que acaba respirando pela boca ou até por conta da vibração dos tecidos da faringe durante o ronco podem causar dor de garganta.

Como vocês viram, existem diversas causas da dor de garganta, mas todas precisa de um atendimento de um otorrino particular para ter o tratamento adequado.

Meu filho acordou com febre. Será que pode ser uma crise de rinite? Vamos falar se existe relação da Crise de Rinite e Febre.

De uma maneira geral, crise de rinite não dá febre. Se a criança ou mesmo o adulto acorda com febre, sempre pensaremos em um quadro infeccioso.

Se for febre e um sintoma respiratório, precisa ser colhido o teste do Covid, mesmo que a criança tenha um antecedente de rinite.

Não consideramos que a febre seja por conta de uma crise de rinite.

Entre em contato


    Esse formulário é destinado à retirar duvidas, sugestões e reclamações. Para marcação de consulta utilize nossa central de marcações nos telefones: (31)98837-0169 ou (031) 3273-2000.